COMODIDADE - Marido de aluguel / 22 de janeiro de 2010.

COMODIDADE  - Marido de aluguel   /  22 de janeiro de 2010.

COMODIDADE

Marido de aluguel

P1010020.jpg


Mulheres acionam o profissional para serviços domésticos

P10100101.jpg

Juliana Leão
Juliana.leao@jornaldebrasilia.com.br


Um novo serviço está fazendo sucesso no mercado. É o marido de aluguel. As principais clientes são aquelas mulheres que não aguentam mais pedir ao companheiro que conserte uma pia ou uma lâmpada queimada, e não ter o pedido atendido. Atualmente, este  serviço está em expansão no Distrito Federal. Anderson Bahia, marido de aluguel, explica que diariamente deixa de atender cerca de dez pessoas por dia por não ter tempo disponível na sua agenda de trabalho.

"Para ter um atendimento em minha empresa é preciso marcar com cinco dias de antecedência. Hoje deixamos de atender mais de dez pessoas dia, por não ter conseguir encaixe", conta. Anderson explica que cerca de 80% dos pedidos de atendimentos são feitos por mulheres, sendo que a maioria delas é casada. "Na verdade a gente é a salvação do marido e não da esposa", brinca.

Dona de um salão de beleza, Maria Josefina Lancelle, contrata o marido de aluguel qualtro vezes ao ano. "Vale a pena demais, é multiuso", declara. E conta que apesar de ter um companheiro, os serviços de consertos e instalações em sua casa sempre ficam relegados por ele. Meu namorado não prega nem um quadro na parede, ainda mais cosertar alguma coisa", brinca. Maria Josefina explica que a primeira vez que solicitou o trabalho de um marido de aluguel foi há dois anos, e desde então, confia no serviço realizado. "Eu fiz uma mudança e precisei deles, tinha muita coisa pra instalar", comenta.

Os reparos mais solicitados para os maridos de aluguel são vazamentos, intalação de varal, problemas elétricos, montagem de móvel e problemas com o entupimento. Somente a empresa de Anderson Bahia, que conta com (06) seis Vans para atendimentos, trabalha em cerca de 60 casas por dia, e consegue mesalmente com um emprego de uma van, R$ 6 mil. A compahia tem aproximadamente seismil solicitantes. " A gente consegue novos clientes todos os dias. E a maioria é fiel ", afirma.

Clientes são fiéis

A moradora da Asa Norte, Shelma Regina Cavalcanti, utiliza os serviços do marido de aluguel duas vezes ao ano e diz que quando faz uma solicitação de atendimento, monta uma lista de pendência. Regina faz pedidos como: tirar uma lâmpada do lugar, instalar tomadas, pregar quadros e trocar a descarga do vaso sanitário. Ela conta que mora sozinha, e ha três anos chama o marido de aluguel. E diz que o valor pago pelo serviço é vantajoso.

"Eu acho o preço que eles pedem razoável, porque se eu fosse contratar, por exemplo, só um bombeiro hidráulico para consertar a descarga, teria gasto o dobro", comenta.

A empresa de Anderson Bahia, cobra R$ 50 por hora. Os trabalhos são variáveis, como na área de elétrica, hidráulica, reparo, montagem, e pintura. E, todos os serviços possuem o mesmo preço. Anderson explica que a sua compahia a "Marido de Aluguel Consertos e Instalações" está precisando de mais profissionais, pois a demanda é alta. "Como a espera está grande, a gente às vezes esta deixando de almoçar para fazer um encaixe", garante. Atualmente, trabalham com ele mais quatro cinco pessoas, que atuam de forma independente, tendo apenas que pagar os royaltes a empresa. Para aqueles que queiram ser maridos de aluguel é preciso ter conhecimento básico em elétrica, hidráulica, montagem e telefonia. Raimundo Ferreira trabalha há quatro meses na função, e disse que não troca sua profissão por nenhuma outra. "Foi um investimento que deu certo. Eu não me arrependo", declara.

Luana Vieira é administradora de uma clínica médica, e a empresa em que trabalha, usa o serviço de um marido de aluguel três vezes por mês. "A gente sempre solicita atendimentos pequenos, como uma lâmpada queimada, problemas no disjuntor ou arrumar uma pia", explica. Sobre o trabalho realizado pelos profissionais, acredita ser uma solução achada por sua companhia. "Eu gosto, eles são confiáveis. Ainda mais que sempre explicam o serviço que vão realizar", diz.